O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou na última quarta-feira, 9, o edital da segunda edição do BNDES Garagem, programa criado para ajudar a desenvolver startups brasileiras.

De acordo com a iniciativa, desta vez, o foco é o desenvolvimento e aceleração de 135 pequenos negócios inovadores que gerem impacto socioambiental

Continua após a publicidade:

Primeiramente, o programa escolhe a aceleradora que vai coordenar o processo durante os próximos 30 meses. Afinal, essa empresa será responsável por orientar os empreendedores selecionados na segunda fase.

Como funciona o BNDES Garagem?

A segunda edição do BNDES Garagem contará com três ciclos de aceleração. Cada um terá até 45 participantes e duração de três a quatro meses.

Continua após a publicidade

O programa é gratuito para os empreendedores participantes e terá dois módulos. Os participantes terão de se comprometer com um projeto que dura 2 anos e meio.

O primeiro módulo é o de “tração”, voltado para startups de impacto com faturamento inferior a R$ 16 milhões e que já possuam um produto no mercado.

Já o segundo é o de “criação”, direcionado a propostas de negócios inovadores que buscam apoio para criação ou aprimoramento de um produto mínimo viável.

De acordo com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, o banco deve diversificar sua atuação, articulando parcerias e participação em fundos. 

Continua após a publicidade

Ele apontou que nos últimos 68 anos do banco foco foi muito grande em linhas de financiamento e empréstimo, mas que realidade deve mudar.

“Isso é algo muito importante, mas a gente está convencido, e a gente está executando isso, que para o BNDES executar sua missão, ele consegue ter muito mais ferramentas além do empréstimo”, afirma.

Para Montezano, banco pode operar em serviço, articulação de parceiros, divulgação de ideias, participação em fundos de venture capital. 

Após selecionados, os 135 empreendedores selecionados receberão mentoria e participarão de atividades voltadas para o desenvolvimento de seus negócios.

Continua após a publicidade

Além disso, ao final de cada ciclo, será realizado um Demo Day, no próprio BNDES, onde os trabalhos desenvolvidos serão apresentados a potenciais investidores e outros públicos de interesse. Em contrapartida, os participantes desenvolverão suas soluções e o BNDES não exigirá participação acionária nos negócios.

Como funciona a seleção?

As aceleradoras ou consórcios interessados em participar do processo seletivo tem até 23 de outubro para se inscrever, conforme as regras que constam no edital

Por conta da pandemia, o primeiro ciclo será semipresencial. No entanto, a ideia é que os próximos sejam integralmente presenciais, a depender do cenário da pandemia.

A seleção dos participantes vai levar em conta a qualidade dos negócios e critérios de diversidade (gênero, etnia e localização geográfica). De acordo com o BNDES, haverá ajuda de custo de deslocamento e hospedagem para participantes de outras localidades.

Continua após a publicidade

Confira as startups selecionadas na 1ª edição

A primeira edição do programa, em 2019, teve mais de 5 mil startups inscritas e 79 foram selecionadas. Ao todo, 74 concluíram o ciclo. 

De acordo com o BNDES, das 30 startups que participaram do módulo “tração”, a maioria conseguiu aumentar sua receita após participação no programa. Já o módulo “criação” resultou na criação de 16 novos CNPJs, que começaram a gerar receita a final do BNDES Garagem. 

Confira as startups selecionadas no BNDES Garagem – 1ª edição

Gostou do conteúdo? Então não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push. 

Publicidade